Desafios em Psicoterapia Corporal: As tendências Sádicas do Carácter Masoquista e a sua Lamentação

28/01/2012

Para a terapêutica do Carácter Masoquista é de especial importância a maneira como o terapeuta consegue penetrar nas barricadas do carácter do paciente, ou seja, como derruba a tendência do paciente para fazer uso do seu sofrimento para lançar culpa sobre o terapeuta.

A descoberta da natureza sádica deste comportamento no masoquista, é o que garante o primeiro passo da análise perante o sucesso, pois traz à superfície o sadismo original que está por trás do masoquismo.

  1. Lamentação como Sadismo Disfarçado: para Reich interessava descobrir o fio vermelho, ou melhor, trabalhar com o masoquista de modo a desatar o novelo da neurose, visto que o fio vermelho é a lamentação em si mesma em forma de sadismo disfarçado; o ódio primário é drenado para o ambiente sob a distorção de impulsos secundários. O terapeuta acabará por lidar todo o tempo com um indivíduo que lançará sobre ele a culpa da sua miséria interior, sendo que o trabalho analítico sobre esse traço comportamental deverá ser constante devido às constantes recaídas;

  2. Tendência ao Recuo: as queixas, o rancor, a auto-destruição e a inépcia que servem como razão para que a pessoa se afaste do mundo, persistem geralmente até que a própria sexualidade da pessoa caminhe para uma descarga orgástica da libido. Embora a personalidade do paciente melhore, as tendências de refúgio ao menor desapontamento ou frustração geralmente continuam por muito tempo;

  3. Conquista de Confiança: se a empatia é fundamental para qualquer tipo de carácter, no caso do masoquista ela é decisiva na conquista da confiança; ele age de maneira a que os outros o depreciem, pois elogiá-lo é o mesmo que atirá-lo para a angústia; deve-se concordar com ele durante algum tempo até que ele se acaba por irritar com o seu próprio veneno, ou seja, levá-lo a assumir o seu sadismo escondido.

Nos processos de transferência de afecto, o masoquista posiciona-se de forma ambivalente perante o terapeuta, amando-o ou odiando-o; quando a transferência é positiva, procura aprovação do terapeuta, esperando sempre que o terapeuta faça por ele, pois afinal este representa a mãe sábia e protectora. Quando o paciente entra na transferência de ódio, os seus sentimentos para com o terapeuta são de desprezo e nojo, hostilidade e ódio, e é exactamente neste estado transferencial que as suas queixas tendem a aumentar; assumindo a ilusão que o terapeuta fará tudo por ele, inclusive que se responsabilizará pelos seus actos.

O terapeuta terá de desenvolver um trabalho paciente e honesto, explicando-lhe quantas vezes for preciso o quanto a sua ansiedade contribui para aumentar a óptica amedrontada que tem do mundo. Por sua vez, o paciente irá forçar o terapeuta através do mecanismo da provocação, principalmente quando encontra justificação para o seu ódio; a provocação esconde um profundo desapontamento amoroso a nível psicológico, enquanto a nível energético ela tem a função de trazer alívio pela resposta agressiva do meio que irá aliviar a congestão da pele e consequentemente, a congestão interna que causa angústia.

Em termos de trabalho energético, num primeiro passo é preciso garantir-lhe o alívio das tensões, trabalhando a sua pesada musculatura, com massagens profundas; recomendando ao paciente que procure fazer exercícios de estiramento para ajudar na sua espasticidade nas regiões da cintura escapular, pernas, pescoço e pélvis; fazê-lo expressar sentimentos de birra, enquanto chuta, esfrega os pés e grita ou resmunga; meios que o podem ajudar na expansão do Ego.

O trabalho com o anel visual deverá ter início depois de algum tempo de expressão de birra e depois de soltar um pouco a couraça do peito e do diafragma, isto porque com a relativa soltura ou abrandamento desses dois segmentos, a energia poderá subir mais facilmente para a cabeça e depois descer.

O trabalho com a birra reprimida, como sejam os exercícios de chutar, socar, queixar, deverá afrouxar as válvulas da manifestação masoquista, através do encorajamento das expressões agressivas.

 

Estela Rodrigues

Please reload

Novidades!

Início do curso de TTPC®: 24 de Março de 2018

September 15, 2017

1/9
Please reload

Posts Recentes

14/04/2020

29/01/2020

Please reload

Arquivo
Please reload

Pesquisa por palavras-chave
Please reload

© 2016 - A Essência e o Ser / Centro Português de Estudos Reichianos

Todas os alunos e participantes referenciados nas imagens deste site cederam os seus direitos de utilização.

Tel: (+351) 214579312

Tlm: (+351) 917580944

E-mail: ser@aessenciaeoser.net