A Formação do Carácter Impulsivo na Infância

28/01/2012

O impulsivo expressa-se na etapa de desenvolvimento entre os 18 meses e os 3 anos de idade, que corresponde à fase da exploração da criança no processo de descoberta da sua própria autonomia no mundo. Quando a criança se dirige para o mundo precisa de ter limites e na fase em que estes se tem de definir podem surgir dois tipos caracteriológicos bem distintos:

Limites severos – compulsividade

Limites escassos – impulsividade

Para explicar o que acontece com o desenvolvimento do Impulsivo ao nível da estrutura mental (até por volta dos 2 anos e meio, em que a criança esta a formar o super ego), podemos demonstrar as transformações que decorrem nas três instâncias freudianas que caracterizam o aparelho psíquico:

Id – totalmente inconsciente e atemporal (que não conhece a palavra não) e representa todas as nossas necessidades;

Ego – parte do Id que fica consciente; vontade;

Super Ego – autoridade (relacionada ao pai), castração e limite (ao interromper a simbiose);

O Ego é responsável por administrar o id e o superego (auto imagem do self). O Impulsivo é caracterizado pela falta dessa autoridade, que se traduz na falta que tem de ouvir dizer “não”.

Caraterísticas

A criança que pede um não como limite, que sente que é má e que não faz nada certo, aproveitando as situações; é uma criança que não tem laços afetivos porque é difícil que alguém tenha paciência para aguentar sua exuberância. É na realidade um exibicionista por excelência.

  1. a) não tem objectivo, regula-se pelo Id, pelo impulso;

  2. b) o impulsivo é muito sádico e tem uma agressividade latente (um impulsivo muito acentuado é um potencial borderline);

  3. c) não escuta;

  4. d) é o miúdo que é expulso das escolas, ninguém o aguenta; este comportamento é um reflexo da educação. Para ele o educador é verdadeiramente o inimigo (pai, mãe, professor) – fica sem referencial de padrão de conduta e daí resulta a marginalização – pessoa que não se enquadra na sociedade;

  5. e) o impulsivo pode facilmente ser um borderline, principalmente quando já não existe super ego;

O carácter forma-se quando os pais tentam refrear, conter; até lá o Id não forma carácter. Cada fase de desenvolvimento infantil tem um corte e é do modo como se faz o corte que se dá ou não a fixação. Os cortes influenciam na capacidade de amar do individuo. Especialmente para o impulsivo é muito difícil amar, porque amar tem a ver com paciência, passividade – características que ele não possui.

Para ele é imperioso existir sempre a pulsão, nunca se cansa de ter pulsões, pois quando não há estímulos, existe uma forte tendência para a dependência (drogas, jogo, etc) – o carácter impulsivo está baseado na repressão das suas impulsividades.

Estela Rodrigues

 

 

Please reload

Novidades!

Início do curso de TTPC®: 24 de Março de 2018

September 15, 2017

1/9
Please reload

Posts Recentes

14/04/2020

29/01/2020

Please reload

Arquivo
Please reload

Pesquisa por palavras-chave
Please reload

© 2016 - A Essência e o Ser / Centro Português de Estudos Reichianos

Todas os alunos e participantes referenciados nas imagens deste site cederam os seus direitos de utilização.

Tel: (+351) 214579312

Tlm: (+351) 917580944

E-mail: ser@aessenciaeoser.net